Rubricas

Jogos de meter Medo ao Susto

Escrito por Diogo Ventura

Ou jogos de meter susto ao medo. Talvez este até seja o nome mais apropriado. O espírito de Halloween anda por aí e as bruxas e os vampiros saíram à rua, mas há sempre quem prefira ficar por casa e, mesmo não usando máscaras nem pregando partidas, gosta sempre de ter o que fazer.

A pensar em quem até simpatiza com o Halloween, mas não tem paciência para andar em festas ou a pedir doces, preparei um top com os oito (neste caso, dez) jogos mais assustadores para jogar nesta e em várias outras noites.

Sem mais demoras, aqui vai:

  1. Eyes: The Horror Game

Hoje em dia não podemos falar de Gaming sem falar de aplicações móveis. E uma das mais assustadoras é Eyes: The Horror Game, onde, fechados numa casa (“casa”), temos de colecionar dinheiro (tão educativo) e escapar de uma cabeça esvoaçante que nos persegue para todo o lado. Escrito assim até parece ridículo, mas acreditem: isto assusta… e não é pouco.

  1. Rise of the Tomb Raider: Lara’s Nightmare

Tomb Raider sempre viveu envolto em mistério, suspense e pequenos (grandes) sustos, mas Rise of the Tomb Raider leva tudo isto ao limite. Num dos conteúdos extra do jogo, Lara’s Nightmare (O Pesadelo de Lara), estamos fechados na mansão Croft durante a noite, enquanto somos atacados por zombies e sobrevivemos com poucos recursos com que nos defender e poucos sítios onde nos esconder… Sendo que um deles é a cave.

  1. Resident Evil: Biohazard

Uma das séries mais conhecidas do Gaming e do Cinema é Resident Evil, que lançou o seu mais recente título Biohazard no início deste ano. Muito Survival Horror, tal como é pedido para o género, mas agora na primeira pessoa, é ideal para quem consegue manter a concentração e a postura, perante coisas que nunca esperou ver e mesmo nos momentos mais… atípicos.

  1. P.T. (Sillent Hills)

P.T. é o Teaser de Silent Hills, um recente título da conhecida série Silent Hill, cujo lançamento acabou por ser cancelado, dando origem ao aparecimento deste P.T. (Playable Teaser), que não deixa de ser igualmente assustador. Tal como em Resident Evil: Biohazard, também aqui passamos para uma perspetiva na primeira pessoa, o que melhora (no bom sentido) a jogabilidade e a forma de sentir o jogo… Escrevi “no bom sentido”, porque quanto melhor a jogabilidade deste género, pior é este género. É confuso, mas vocês entendem.

  1. Slender: The Arrival

Slender é um clássico. Tão clássico que nos dá medo (e motivos) de olhar para trás. Slender: The Arrival transporta-nos para a floresta temos de procurar as oito páginas perdidas, mas também (e é aí que tudo piora) para caves, casebres e barracões, onde – quando menos esperamos – podemos olhar para trás e dar de caras com quem não dá de caras. (Got it?)

 

  1. Amnesia (Trilogy)

Para quê falar de apenas um Amnesia, quando podemos falar de toda a série? Pois. De facto, se um é muito, três já são demais. Sem artimanhas ou artefactos, depende de cada um fazer o seu melhor para escapar do escuro labirinto que Amnesia nos coloca à frente. Ao estilo clássico de Survival Horror, Amensia acrescenta um enrendo objetivo e que envolve quem procura recuperar as memórias que deixou para trás.

  1. Outlast 2

E quando achamos que as coisas não podem ficar mais assustadoras… Elas ficam. Outlast 2 é a prova de que os jogos de Terror com monstros podem piorar. Basta tirar os monstros mais descabidos e acrescentar uma câmara de filmar. Puro terror psicológico e visual, a combinação perfeita para um jogo repleto de sustos, saltos e gritinhos daqueles que damos quando ninguém está por perto. Curiosamente, estes jogos também só aparecem quando ninguém está por perto. Será coincidência?

 

  1. Layers of Fear

Ok. Terminamos assim. Recordem agora o que já escrevi e juntem tudo num só jogo: Fechados numa casa, sozinhos, com barulhos e presenças estranhas, um mistério por resolver, sustos e suspense. Se Layers of Fear não é assustador, não sei o que será. Na minha opinião, um dos melhores jogos do género, quer pelo forte e detalhado aspeto visual, quer pelo bem construído aspeto psicológico. Se quiserem apenas uma sugestão de terror (porque oito já podem ser demais), esta é a que vos deixo:

 

Espero que alguma destas sugestões seja do vosso agrado. Sei que existem muitos outros jogos que não estão aqui, mas conta a intenção… afinal não quero ser o único a fazer figuras tristes agarrado ao rato ou ao comando da PlayStation!

Sobre o autor

Diogo Ventura

Praticamente toda a minha família é alentejana, mas eu fiz um desvio e fui nascer a Vila Franca de Xira. Ainda assim, passei algum tempo da minha infância no Alentejo, o que fez com que me apaixonasse por aquela que considero ser uma das mais bonitas regiões de Portugal.
Licenciei-me em Publicidade e Marketing, pela Escola Superior de Comunicação Social, mas interesso-me por muitas outras áreas como o Jornalismo, a Televisão, a Rádio e o Cinema. Gosto de ler, escrever, ouvir e contar histórias. Na minha opinião, os contos, as histórias e todas aquelas fábulas que bem conhecemos não são apenas para as crianças, mas também para os adultos. Para mim, uma história bem contada é a melhor forma de ilustrar uma ideia ou uma teoria e de transmitir um pensamento.
Acredito que a humildade não é, de forma alguma, inimiga do sucesso e que, independentemente da idade, da escolaridade ou da profissão, todos nós temos algo a aprender com os outros e alguma coisa para ensinar a quem nos rodeia.

Deixe um comentário