Cultura

Vodafone Mexefest: música a cada canto de Lisboa

Escrito por Carina Ferreira

Uma vez mais, a cidade de Lisboa vestiu-se de vermelho e viveu o festival Vodafone MEXEFEST 2016. Foi ontem que, na Avenida da Liberdade e nos Restauradores, uma multidão movida pela música deu vida à cidade e vibrou com as bandas que atuaram nos diferentes palcos, cada um com o seu cunho musical. Sem medo da ameaça de chuva e do frio que se fazia sentir, a adesão foi imensa, e a noite foi marcada uma vez mais pelo sucesso do festival. O Vodafone Mexefest ocupou diversas salas, como o Coliseu dos Recreios, o Palácio Foz, a Estação (Vodafone), o Cinema São Jorge, a estação do Rossio, a Garagem EPAL, a Sociedade de Geografia de Lisboa e a Casa do Alentejo, e este ano o Capitólio e o sótão do Teatro Tivoli BBVA foram novidades.

O já conhecido Vodafone Bus viajou pela Avenida da Liberdade com os Fugly, neste primeiro dia vermelho, e ainda atuou a pé a banda Kumpania Algazarra, numa atuação animada e informal. Esta edição contou ainda com a novidade das performances na varanda do Coliseu, e neste primeiro dia tivemos, nesse palco improvisado, Moullinex e da Chick.

A representação da música portuguesa foi da responsabilidade de Bruno Pernadas, que conquistou o público com uma sonoridade e vozes incríveis; Luís Severo deu um concerto “de amigos” e foi impossível não nos sentirmos em casa no Palácio da Foz; Fandango de Luís Varatojo e Gabriel Gomes, Lula Pena ou o espetáculo “Dinamite”, de homenagem a Dina, com nomes como Ana Bacalhau, B Fachada, Best Youth, Da Chick, D”Alva, Márcia, Mitó e Tocha Pestana, foram outros dos destaques da noite.

Foi Jorge Palma que deu o concerto surpresa da noite e que aqueceu os corações dos fãs com as suas palavras. O espetáculo ocupou o Largo de São Domingos, no Rossio, junto ao Teatro Nacional D. Maria II.

A força das palavras deste dia esteve entregue a Mike el Nite / Nerve, que deram um concerto de força, e a Valas, que com um rap duro, com sabor a trap, deu um espetáculo energético que conquistou o ritmo corporal do público.

Neste primeiro dia de VODAFONE MEXEFEST, para além de todas as bandas portuguesas que marcaram presença, foi de destacar a brasileira Céu, que recentemente venceu um Grammy Latino, e o contagiante australiano Jagwar Ma. Com os Talib Kweli testemunhámos uma plateia rendida e centenas à porta a tentarem assistir a um dos concertos de destaque da noite.

Chris Baio, baixista dos Vampire Weekend, estreou-se em Portugal com o seu projeto a solo. A banda Totti, com a sua mestria nas cordas e com a sala intimista da Sociedade de Geografia, proporcionou um concerto único e memorável. Entre muitos outros, os americanos Sunflower Bean deram um concerto intenso, e o público rendido desde o início vibrou até à última música da banda, que encerrou hoje a sua tour de 2016.

É assim que encerramos a história do primeiro dia do Vodafone MEXEFEST 2016 e começamos o segundo dia desta aventura musical!

Fotos: Bruno Fragata, Carina Ferreira, Eduardo Filipe, Joana Bento / ARDINAS 24

Sobre o Autor

Carina Ferreira

Sou uma pessoa energética que adora escrever e fotografar.
A música é a base da minha vida!

Deixe um comentário