Tech&TV

Web Summit: Chegou a vez das “rockstars” do nosso país

Escrito por Ana Rita Caldeira

Começou hoje a primeira Web Summit de Lisboa, onde o evento deverá decorrer nos próximos três anos. Paddy Cosgrave convidou os empreendedores portugueses a subir ao palco e agradeceu aos 53 mil visitantes, vindos de 166 países. No final, recebeu a chave da cidade de Fernando Medina e pediu aos visitantes que cheguem mais cedo nos próximos dias.

A sessão de abertura da Web Summit começou meia hora mais tarde e 3 mil visitantes com bilhete ficaram à porta do MEO Arena. A organização optou por dar prioridade a quem tinha bilhete só para um dia e os que não puderam entrar no recinto assistiram a tudo num ecrã gigante. Entraram 15 mil, uma pequena parte do número de visitantes esperados para a primeira Web Summit de Lisboa. Paddy Cosgrave, presidente executivo fundador do evento, fez questão de lembrar a primeira edição da Web Summit, em que “apareceram 400 pessoas”. Até quinta-feira são esperadas mais de 53 mil pessoas, vindas 166 países. António Costa, num curto discurso, disse que “Lisboa vai ser a capital mundial do empreendedorismo” nos próximos dias. Revelando estar “muito entusiasmado”, o primeiro-ministro reconheceu a importância deste evento – “É este ambiente de experimentação contínua e de disponibilidade para assumir o risco que importa estimular”. 

dsc04178

Paddy Cosgrave fundou a Web Summit em 2010, em Dublin. Este é o primeiro ano em que o evento decorre em Lisboa. O irlandês de 33 anos reparou em Portugal quando uma startup portuguesa venceu um concurso de pitches, em 2014.

Depois de um painel sobre o papel da União Europeia, da ONU e, claro, das tecnologias na resolução dos novos desafios que o mundo enfrenta – um debate em que participou Durão Barroso -, subiu ao palco Joseph Gordon-Levitt. O ator que interpreta o papel de Edward Snowden no novo filme de Oliver Stone (“Snowden”) foi também o fundador do hitREcord, um projeto de criação artística coletiva. O ator e empreendedor norte-americano assegurou, optimista, que a próxima geração utilizará a internet para trabalhar em conjunto e não para socializar, defendendo que “ainda estamos no início do que é a internet, do que são os computadores”.

dsc04170

Joseph Gordon Levitt fundou em 2005 o hitREcord, uma produtora de conteúdos colaborativos.

O momento alto da noite aconteceu quando a Miguel Amaro (fundador da Uniplaces) e a Jaime Jorge (fundador da Codacy) se juntaram dezenas de outros líderes de startups portuguesas. João Vasconcelos, secretário de Estado da Indústria, apresentou-os a Paddy Cosgrave: “São estas as estrelas de rock do meu país”. O fundador da Web Summit recordou o momento em que olhou para Portugal pela primeira vez, depois de a Codacy, fundada por Jaime Jorge, ter vencido um concurso de pitches em 2014. Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, juntou-se ao grupo que enchia o palco do MEO Arena, acompanhado de António Costa, para entregar a chave da cidade a Paddy Cosgrave e para dar início à contagem decrescente para o maior evento de tecnologia, inovação e empreendedorismo. “Lisboa é a tua casa”, disse Medina a Paddy Cosgrave.

dsc04187

Fernando Medina entregou a chave da cidade a Paddy Cosgrave.

dsc04196

Um palco cheio de empreendedores portugueses e a plateia do MEO Arena fizeram a contagem decrescente para o ínicio da Web Summit.

A Web Summit começou em Dublin, em 2010, pelas mãos de Paddy Cosgrave, que decidiu fazer a mudança do evento para Lisboa no ano passado. Nos próximos dias, são esperados no MEO Arena e na FIL mais de 53 mil visitantes, entre 20 mil empresas, 7 mil presidentes executivos e 700 investidores. 

Sobre o Autor

Ana Rita Caldeira

Vivo e estudo em Lisboa, mas o meu coração está em Albufeira, perto da minha família, das praias, do sol, do silêncio, dos meus 6 cães e 2 gatos.
Sou fã de Gabriel García Marquez, de José Saramago, de escrever, de descobrir, de viajar, do Sporting, de jogar voleibol, de esplanadas e programas de culinária.
Como Ardina, quero conseguir produzir o que não vejo nos jornais portugueses e tornar o jornalismo um mundo menos assustador.

Deixe um comentário