Lá Fora

O duelo entre Hillary e Trump: Quem está em vantagem?

Escrito por Marta Costa

Faltam três dias para o combate final. De um lado Hillary, do outro Trump. Ambos estão marcados pelo seu passado e, a tão pouco tempo do veredicto todos os golpes, uppercuts ou golpes cruzados são definitivos para o knockout de um dos candidato. Quem será o Mike Tyson deste duelo?

O Ardinas 24 analisa à lupa os candidatos e conta as últimas notícias sobre tudo o que está a acontecer no Estados Unidos da América.

De pequenino se torce o pepino…

Donald Trump

Donald Trump.

Hoje em dia reconhecê-mo-lo pelo discurso forte, irónico, e a roçar o agressivo mas também pelo penteado característico, que já foi alvo de piadas e comédia. Mas… e até aqui?

Donald Trump é Nova Iorquino e foi através do pai que lhe cresceu a vontade de entrar no negócio imobiliário. Depois dos estudos começou a gerir todo o legado do pai e tomou, desde então, no seu império. A sua personalidade muito própria, goste-se ou não, e a forma como se apresentava ao mundo a juntar ao império que criou e a sua vida pessoal tornou-o numa figura mediática de relevância.

Donald tem raízes alemãs nos seus avós paternos e é um dos cinco filhos de Mary Anne MacLeod, nascida na Escócia, e Fred Trump. As três mulheres com quem se casou eram modelos e os dois primeiros divórcios geraram muita polémica nos media. Três filhos surgiram do primeiro casamento e teve ainda mais dois, cada um das outras duas mulheres. Donald foi pai pela última vez aos 60 anos.

Trump tem sido sempre polémico pelas várias declarações que tem proferido, uma delas a questionar a cidadania de Barack Obama.

Hillary Clinton

Hillary Clinton.

Há quem diga que Hillary Clinton foi conduzida até este momento da sua vida. A verdade é que não é um nome estranho aos americanos nem uma cara pouco conhecida pois já foi primeira-dama dos EUA.

Nascida em Chicago, Hillary cresceu no seio de uma família metodista, uma religião de fé cristã protestante de origem inglesa, e humilde. Viveu no subúrbio de Park Ridge nos seus três primeiros anos de vida. O pai tinha um pequeno negócio na indústria têxtil e a mãe era dona de casa.

Era uma criança que praticava desporto e acumulava várias atividades, uma delas o escutismo, onde recebeu vários prémios. Era uma jovem normal que participava na associação de estudantes da sua escola, no jornal e foi finalista para obter uma bolsa de mérito nacional. Distinguia-se sempre por mérito escolar e em tudo o que fazia. A mãe ensinou-a a ter uma vida e carreira profissional independente e o pai queria que as capacidades e oportunidades não fossem limitadas ao género da sua filha.

Hillary é graduada em Ciência Política pela Wellesley College. Desde cedo se mostrou uma mulher capaz e com força, tendo sido a primeira estudante oradora de turma em 1969 e tendo recebido o grau Juris Doctor pela Faculdade de Direito de Yale, ou seja, um Doutoramento profissional. Foi assessora jurídica, primeira-dama do Arkansas, a primeira presidente da Corporação de Serviços Jurídicos, reformou o sistema de ensino do Estado, primeira-dama dos EUA, senadora e ainda a 67ª secretária dos EUA.

O estatuto de mulher de Bill Clinton nunca lhe fez confusão e desde cedo se quis afirmar como Hillary Clinton. Ajudou o marido durante o seu mandato, tendo sido quase o seu braço direito. O seu papel central nas questões políticas do país nunca foram muito bem vistas pelos críticos.

Começou por apoiar o Partido Republicano tendo-o integrado até 1968. Posteriormente e até aos dias de hoje o seu partido é o Partido Democrata que a tem vindo a apoiar.

Atualmente

Donald Trump candidatou-se através do Partido Republicano e marca pelo discurso populista e anti-imigração, tendo até dado a ideia de um muro entre o seu país e o México para impedir os imigrantes de entrar. O seu carácter ultra-conservador tem conquistado os apoiantes mais conservadores e extremistas. Com as ideias que o candidato defende, corre-se o risco de voltarmos décadas atrás no que toca à liberdade, direitos humanos e civis, o que tem assustado todo o mundo. George Clooney e Mario Vargas Llosa chegaram mesmo a chamá-lo xenófobo.

Durante a campanha é possível concluirmos que Donald não lida bem com a derrota e usa todos os meios para deitar por terra a campanha do adversário. Mostra-se ainda inflexível no que toca às suas ideias. Quanto à América, promete muito mas não apresenta as ferramentas de como o vai fazer. Afirma que a América voltará a ser óptima mas não apresenta qualquer tipo de argumento.

E uma possível derrota? Para Trump, caso isso aconteça não irá aceitar e reserva-se no direito de contestar.

Aceitarei plenamente os resultados desta grande e histórica eleição presidencial… se eu ganhar.”

 

Michelle Obama tem vindo a fazer campanha contra Trump e em relação ao candidato querer contestar o resultados caso perca, a, ainda, primeira-dama afirma que isso é um descredibilizar do julgamento dos americanos. É tornar a democracia pela qual se lutou pequenina. Esta que tem sido a maior surpresa da campanha tem apoiado abertamente a candidata feminina e criticado de forma acesa mas sensata o candidato republicano tal como o seu marido.

Hillary Clinton tem beneficiado dos erros e polémicas de Donald Trump. Apesar de ser uma mulher capaz, Hillary tem levantado algumas dúvidas em relação à sua conduta por ter usado o seu e-mail pessoal para trocas de e-mail pessoais e profissionais. A candidata afirmou ser apenas uma questão prática.

Apesar de não ser ilegal, esta é uma questão meio “cinzenta” da lei americana e por isso fica a dúvida nos eleitores. Estratégia essa que Donald Trump semeou para que a fama de “boa samaritana” de Hillary fosse afectada. No que toca a  polémicas, Donald Trump faz realmente com que Hillary pareça que não parte um prato, no entanto, será esta a verdade?

A dúvida entre os dois candidatos é suficiente para deixar as sondagens bastante equilibradas. Se, por um lado, Hillary tem o apoio dos mais sensatos e cuidados com as suas políticas, Trump tem o apoio de todos aqueles que preferem medidas mais drásticas e que se deixam levar pelas promessas do candidato.

Hillary tem dois tipos de rótulos bastante distintos. Por um lado, consideram-na uma mulher fria e calculista mas, por outro, afirmam que sempre tomou as decisões com o coração e não com a razão. Bill Clinton afirmou que a sua mulher transformou todos os sítios por onde passou em sítios melhores.

trump-hillary

Últimas notícias

Hoje, e mesmo após todo o preconceito e racismo que tem envolvido a campanha de Trump , o mesmo viajou para Florida para pedir o voto a latinos e afro-americanos. Um golpe decisivo para garantir uma vitória num estado decisivo para a corrida à Casa Branca.

A Organização dos Estados Americanos acusa ainda fragilidades no sistema eleitoral. Até ao momento mais de 38 milhões de eleitores americanos registados votaram por antecipação. No entanto, desvaloriza-as e considera-as “normais”.

Atualmente, Hillary lidera as sondagens com uma diferença de dois pontos percentuais.

Sondagens 5 de Outubro

Sondagens de 5 de Novembro.

Ilustração: Ana Catarina Araújo

Sondagens: USA TODAY – poll tracking

Sobre o autor

Marta Costa

Gosto da vida. Gosto do mundo. Sou uma miúda de 21 anos com ambições fortes e ideias fixas. Com 14 anos escolhi o jornalismo para mim... Nunca soube bem porquê mas senti que tinha a ver comigo. Hoje, 6 anos depois, sei que seguir os meus instintos foi a minha melhor decisão. Ando à procura de trabalho mas enquanto espero pela minha oportunidade vou fazendo aquilo que amo e espero que gostem!

Deixe um comentário