Caminhos Ciência

“Cristóvão Colombo” descobre a atual caverna mais profunda do mundo

Escrito por Ariana Nobre

Até há bem pouco tempo, a caverna do Pozzo del Merro, em Itália, era considerada a mais profunda do mundo. Contudo, uma nova descoberta superou esta última em 12 metros. “Abismo de Hranice”, é assim já conhecida a nova caverna que detém o título e fica na República Checa.

O nome HranickaPropast, como é conhecida pelos checos, vem do nome da mesma cidade onde se situa. Tem pelo menos 404 metros de profundidade e supera em 12 metros a que até há bem pouco tempo era a caverna mais profunda do mundo. A Sociedade Espeleóloga Checa assegura que é esta a mais abismal encontrada até aos dias de hoje.

transferir

Robô a afastar-se da superfície

Foi o explorador polaco Krzysztof Starnawski que se aventurou e desceu a 200 metros da gruta, em setembro, conquistando o título, inclusive, do primeiro ser humano a alcançar o poço de pedra calcária. Os restantes 204 metros foram alcançados por um robô que estava ligado a um medidor, sendo que esta distância foi a possível de determinar face ao alcance máximo do cabo. As dificuldades sentiram-se através da pressão dentro da caverna, da temperatura da água (15ºC), da sua turbidez, e da respetiva composição mineral que comprometia a pele e os próprios equipamentos.  

Superfície turva da gruta

Superfície turva da gruta

Starnawski afirma sentir-se “como um Cristóvão Colombo do século XXI”. Foi o próprio que engendrou o robô, porém, os exploradores admitem que a caverna pode ser ainda mais profunda pois a máquina não tocou, efetivamente, no fundo do buraco. De facto, os relatórios apresentados referem que “a essa profundidade, o fundo da caverna ainda nem sequer aparecia nos radares”.

Starnawski afirma que esta profundidade é prejudicial tanto para os equipamentos como para o homem, pois esteve seis horas numa sala de descompressão após a descida ao buraco. 

Krzysztof Starnawski

A National Geographic, financiadora parcial desta investigação, afirma que  é “um preço a pagar pela descoberta e que vale a pena pagar”.

Sobre o Autor

Ariana Nobre

Gosto da linha da frente, de quem me afervente. É o impulso que me elege, o fogo que me correge. Aprecio a energia, o movimento, a euforia, a loucura que Campos elegia nos poemas que escrevia. É a escrita que me motiva, ingénua ou agressiva. É sugestiva e abrasiva, o mundo amado de forma compulsiva.

Deixe um comentário