Desporto

A história no feminino: Portugal alcança o Europeu

Andreia Norton foi o porto seguro da Selecção Feminina de Portugal, ao marcar, já no prolongamento, o golo que deu o apuramento para o Europeu. Contra a selecção romena, o caminho não parecia favorável para as marés portuguesas, mas a jogadora do SC de Braga mostrou que tinha tudo controlado.

Foi um jogo impróprio para cardíacos. De cachecol ao peito, os adeptos estiveram 105+1’ minutos à espera que a equipa fizesse história. O golo de Norton valeu por dois e assegurou, em terreno romeno, a concretização de um sonho antigo.

O empate chegou para carimbar a presença da equipa portuguesa no Europeu ao lado das outras 15 selecções já apuradas: Alemanha, Holanda, França e Inglaterra (pote 1); Noruega, Suécia, Espanha e Suíça (pote 2); Itália, Islândia, Escócia e Dinamarca (pote 3); e a Áustria, a Bélgica e a Rússia, que estão no pote 4 com Portugal.

A maior parte das jogadoras da selecção portuguesa joga fora de Portugal, sendo que apenas oito ainda jogam em equipas nacionais – como Andreia Norton, do Sporting de Braga. Cláudia Neto, capitã da equipa, é a figura da selecção e joga no Linkoping FC, na Suécia – onde existem 168 mil praticantes da modalidade – depois de ter estado seis anos na Liga Espanhola feminina. É algarvia e uma das esperanças do futebol feminino em Portugal.

A Alemanha é, neste momento, considerada, ao lado dos Estados Unidos da América, uma superpotência na modalidade. Os alemães têm 258 mil praticantes federadas na modalidade, enquanto Portugal tem pouco mais de três mil mulheres na modalidade. A Espanha, que também estará no Europeu, tem 31 mil. A nível mundial, existem 211 selecções masculinas activas e 134 no futebol feminino, das 177 que existem.

Foto: Site Futebol Feminino

Sobre o Autor

Bárbara Duarte Mota

Chamo-me Bárbara Mota, tenho 20 anos e sou apaixonada pela minha terra: Tercena. Sou uma sonhadora que vê o mundo à sua maneira e que um dia pretende pisar todos os territórios destruídos por guerras e mostrar o que ali um dia foi um país. Quero ser repórter de guerra, mas acima de tudo quero falar de pessoas para pessoas. Estou a acabar o curso de jornalismo.

Deixe um comentário