Cultura Multimédia

Não nos deixes já, Sol da Caparica

Escrito por Sofia Felgueiras

A temperatura continua muito elevada e, depois de um dia de praia, o caminho é mais do que certo: um festival bem português. São três dias que passam a correr e que têm muito para oferecer. Sente-se a vontade de que fossem ainda mais dias, mas a lembrança de ritmos quentes e momentos únicos.

O terceiro dia, e último de música, não foi excepção. O ARDINAS 24 continuou a conhecer os artistas envolvidos neste projecto. Acaba por ser um privilégio, tanto para a nova geração como para a mais antiga, estar presente numa noite que tem casa cheia e um cartaz com nomes de tão grande peso.

E a música faz-se ouvir desde as horas de lusco-fusco. Para Nuno Guerreiro, que esteve à conversa connosco, este é dos melhores períodos do dia para se viver um bom concerto. E foi exactamente o seu grupo, a Ala dos Namorados, a abrir o palco SIC/RFM, por essa altura. Foram várias as vozes que se fizeram ouvir, na plateia, para dar uma ajudinha nos clássicos, como “Caçador de Sóis”. Em simultâneo, vivem-se no outro palco grandes concertos de artistas como The Black Mamba, Capitão Fausto e X-Wife.

O cair da noite trouxe a enorme voz e simpatia de Ana Moura, que enche qualquer coração e arrepia a pele, até mesmo daqueles que não têm fado na playlist, por norma. Não foi “Dia de Folga” para a artista, mas esta cantou e certamente encantou os presentes num deslumbrante vestido.

Para que a temperatura não começasse a descer, foi a vez de Nelson Freitas entrar em palco, com os seus conhecidos temas “Bô tem Mel” e “Break of Dawn”. Um espetáculo de luzes, bailarinas e ritmo que não deixou alguém parado. Mas a noite não se ficou por aí. Os Azeitonas deram um incrível show, entre desenhos animados e aviões, com vários convidados em palco e com uma energia de deixar qualquer um cansado.

E uma edição tão bem conseguida, a mais procurada pelos festivaleiros até agora, tinha que terminar em grande. A escolha foi Rui Veloso, que com bom humor meteu muitos a rir e derreteu corações com os temas que todos bem conhecem, como “Não Há Estrelas no Céu” ou “Primeiro Beijo”.

A noite encerrou com o DJ Zé Pedro e fica no ar uma vontade geral de regressar no próximo ano, com um cartaz tão bom ou melhor do que o desta terceira edição.

O terceiro dia em vídeo:

O terceiro dia em fotos:

Vídeo: Joana Bento

Fotos: Joana Bento, Carina Ferreira, Ana Catarina Araújo

Sobre o Autor

Sofia Felgueiras

Escrever sobre mim própria é um enorme desafio, mas é também algo aliciante.Talvez porque o Jornalismo foi feito para contarmos como é o mundo às pessoas e não olharmos tanto apenas para nós.
Sou uma eterna criança. Onde há um baloiço, aí está a Sofia. Sei que tenho curiosidade infinita sobre o mundo, continuo todos os dias a perguntar “porquê” e arregalo os olhos a cada descoberta. Gosto daquele sentimento de novidade.
Sou uma eterna apaixonada: pelo mundo, pelo Algarve, por viajar e pelo que a vida tem de melhor. E por "gordices", claro.
Quando era pequena, a minha professora da primária disse-me que eu ia ser escritora. Disse-lhe que não. Entretanto, quis ser veterinária. Mas, os animais mordem e rapidamente desisti da ideia. Aos catorze queria seguir dança.
Hoje, vejo que não foi esse o caminho. É outro. Olho para o Jornalismo
enquanto a arte de levar às pessoas as melhores histórias e uma pequena marca que pode fazer uma grande diferença.
Nos próximos tempos, podem encontrar-me no ARDINAS e no E2, projectos ambiciosos que quero agarrar. Porque devemos sempre querer chegar mais longe. E ainda acredito em magia.

Deixe um comentário