Isto é claro?

Oito anos depois, inaugurou-se o Túnel do Marão

Escrito por Ana Rita Caldeira

Foi ontem que António Costa inaugurou o Túnel do Marão, cuja obra foi planeada e lançada pelo ex-Primeiro-Ministro José Sócrates, há oito anos.  Cinco governos e três primeiros-ministros depois, entre interrupções da obra por processos judiciais ou falta de financiamento, o maior túnel da Península Ibérica é finalmente inaugurado. Põe fim à barreira da Serra do Marão e aumenta a segurança de quem antes só podia viajar no IP4. No “Isto é Claro?” de hoje respondemos a todas as suas perguntas relativamente a esta obra pública, lançada por José Sócrates, recuperada por Passos Coelho e inaugurada por António Costa.

Tunel-696x464

(Fotografia: Notícias de Vila Real)

Como é o túnel que demorou 8 anos a finalizar?

Tem 5,7 quilómetros, 2 galerias, 120 câmaras de vigilância e é a maior obra pública dos últimos cinco anos. Custou 137 milhões de euros – dos 398 milhões necessários para construir a A4, de que o túnel faz parte – e foi planeada com o objetivo de facilitar o acesso a Vila Real e Bragança, acessíveis até agora apenas através do IP4. Oito anos depois de ter sido lançada a primeira pedra, por José Sócrates em Maio de 2008, o Túnel do Marão está concluído e abre ao público a partir das 00h deste domingo. 

Quanto custará atravessar o túnel?

As portagens no Túnel do Marão vão dos 1,95 aos 4,90 euros, para veículos ligeiros e pesados, respetivamente. Percorrer a A4 custará entre 7,30 e 18,25 euros. Estes valores já deram origem a petições para abolir as portagens nesta auto-estrada, por parte da Comissão de Utentes da A4, assim como do Bloco de Esquerda e do partido ecologista Os Verdes.

Por que razão foram precisos 8 anos e 5 governos para o inaugurar?

A obra foi lançada por José Sócrates, em 2008, e recebeu 89 milhões de euros de fundos europeus. A abertura do Túnel do Marão estava prevista para 2012, mas o projeto começou com o pé esquerdo, quando os trabalhos de escavação foram suspensos, duas vezes, por ordem judicial. Mais tarde, já no Governo de Passos Coelho, a obra foi interrompida durante três anos, devido a dificuldades financeiras da empresa concessionária da obra. Foi em 2013 que o Estado recuperou o projeto, entregando-o às Infraestruturas de Portugal. Passados mais três anos, e já com novo Governo, a obra foi inaugurada por António Costa, que reforçou a importância desta obra para a eliminação de barreiras no norte transmontano – “Nenhuma outra infraestrutura tinha sido tão relevante para vencer uma barreira natural. Há 50 anos o Tejo, hoje o Marão. E vencer esta barreira do Marão tem um profundo significado”.

Que vantagens traz o Túnel do Marão e a A4?

Para além de facilitar o acesso a dois distritos portugueses, antes inacessíveis por auto-estrada, o Túnel do Marão poderá ser um sinal de crescimento económico das cidades que passa a interligar. Apesar de as portagens da A4 terem sido contestadas, esta auto-estrada significa também mais segurança na viagem de Amarante a Vila Real, um percurso que antes só era possível através do IP4. Devido a condições meteorológicas severas e a um traço sinuoso, esta estrada apresenta um alto nível de sinistralidade e nela já morreram 136 pessoas em acidentes de viação, nos últimos 20 anos. Para além de possibilitar uma viagem mais segura, reduz o tempo do percurso em cerca de 20 minutos.

Sobre o autor

Ana Rita Caldeira

Vivo e estudo em Lisboa, mas o meu coração está em Albufeira, perto da minha família, das praias, do sol, do silêncio, dos meus 6 cães e 2 gatos.
Sou fã de Gabriel García Marquez, de José Saramago, de escrever, de descobrir, de viajar, do Sporting, de jogar voleibol, de esplanadas e programas de culinária.
Como Ardina, quero conseguir produzir o que não vejo nos jornais portugueses e tornar o jornalismo um mundo menos assustador.

Deixe um comentário