Bicicleta do vencedor da Volta a Portugal em leilão solidário

Foto PODIUM / Paulo Maria

A Volta a Portugal voltou a terminar com um cunho solidário pelo 4º ano consecutivo. A bicicleta de Raúl Alarcón, vencedor da competição, vai ser doada, numa parceria entre a Associação Salvador e a PODIUM, a entidade que organiza a prova.

Várias recordações únicas da 80ª Volta a Portugal Santander, que decorreu entre 1 e 12 de agosto, foram doadas pela organização para a realização de um leilão solidário, que já arrancou. Entre os objetos a leiloar está a bicicleta do vencedor desta edição, Raúl Alarcón, bem como a sua camisola.

A bicicleta em leilão é uma peça única, personalizada a amarelo, uma vez que que Raúl Alarcón conquistou o primeiro lugar da prova pelo segundo ano consecutivo. A base de licitação da mesma começou e já está nos 3 500 euros, mas a Associação Salvador acredita que este leilão será um sucesso, uma vez que o equipamento tem um valor comercial de cerca de seis mil euros.

As peças estão disponíveis para leilão desde o último dia da competição, e estarão online até 15 de setembro. Além dos objetos realizados com o ciclista espanhol, também se encontram em leilão as camisolas verde, amarela e azul da Volta, bem como a camisola Juventude RTP e a da equipa vencedora W52/FCPorto, autografadas pelos respetivos vencedores.

O valor angariado tem como destino apoiar o projeto de desporto adaptado da Associação Salvador.

Fonte: Associação Salvador / Foto: PODIUM / Paulo Maria

Sobre Gonçalo Esteves Coelho 363 artigos
Sou um poço de contradições. Não gosto de falar mas sou jornalista. Adoro escrever mas cada vez leio menos. Sou sereno mas não consigo resistir a soltar a minha alegria quando escuto música popular. Não gosto do calor mas adoro o mar português, a sua frescura, o seu sal, as histórias que tem para nos contar. Odeio tomar decisões e, no entanto, sou o CEO deste projeto. Nasci em Lisboa, há 21 anos. O meu coração, vermelho e verde, bate por Portugal e por todos aqueles em cujas veias corre igual amor a este país, à nossa gente, à nossa cultura. Vivo perto de Sintra, esse livro de História a céu aberto, em cujos recantos gosto de me perder. Adoro museus, palácios, castelos e igrejas. Regressei ao Ensino Superior e lancei-me numa nova aventura, sem a qual não conseguiria realizar-me totalmente: o estudo da História. Em pequeno, havia quem me dissesse que iria ser jornalista. Também me diziam que deveria ser professor de História e que tinha tudo para ser um novo José Hermano Saraiva. Se calhar sou muito transparente naquilo de que gosto, ou então essas pessoas conheciam-me muito bem. Acertaram. O que virá depois eu não sei. Escolha que caminho escolher, terei de ser eu próprio. Sempre.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.