Ambienta-te – Boom Festival, um festival sustentável

O Boom Festival já vai na sua 12º edição e é um evento bienal de cultura independente e sustentável que, desde 1997, se realiza durante lua cheia de julho ou agosto, este ano (entre 22 e 29 de julho) o festival aposta mais uma vez na inovação da sua política sustentável e no Ambienta-te contamos-te as novidades.

Para começar, junto à área Eco Tech Hub, os festivaleiros podem encontrar a PLASTIC∅ CIRCULAR, uma instalação interativa que é constituída por equipamentos de reciclagem em pequena escala que permitem transformar lixo plástico em novos objetos através da tecnologia de impressão 3D. Atribuindo assim uma nova valorização ao plástico e sensibilizando o público para o poder e importância da reciclagem evitando assim a quantidade de plástico astronómica que polui os nossos oceanos e ambiente. A instalação é um projeto conjunto da Circular Economy Portugal e PlasticSunDays, com o apoio da Idanha Culta e do programa Sê-Lo Verde que já sensibilizou cerca de 25.000 pessoas calculados pela associação Zero Waste Lab. No vídeo em baixo podes ver esta instalação em funcionamento que tem quatro unidades: uma de lavagem e secagem do plástico, outra de trituração do mesmo e uma terceira de extrusão de um filamento de plástico que é submetido à impressão 3D (mimetizando a reciclagem industrial): 

Haverá ainda uma conferência sobre a redução do uso do plástico no dia 23 de julho, às 13h30, na Liminal Village, e por um workshop na área Sacred Fire sobre como fazer os nossos próprios detergentes (champôs ou sabonetes, por exemplo), o qual será orientado por Ana Milhazes, embaixadora do movimento LixoZeroPortugal. Em baixo podes ver um vídeo desta embaixadora que mostra como o lixo que fazemos num ano pode caber apenas num frasco:

Durante o festival uma equipa de Eco Guardians, composta por 18 voluntários de 11 nacionalidades, estará disponível nesta edição para ajudar as pessoas “a assumirem a responsabilidade e a se comprometerem a dar passos mais profundos em direção a um estilo de vida de lixo zero, tornando-se ativas e ativistas nas suas esferas de influência”, explica Ana Salcedo da Zero Waste Lab. Contribuindo assim para que os boomers (participante do Boom Festival) tenham comportamentos de limpeza e de separação dos lixos adequados. Além disso, cada boomer recebe um welcome kit que, além de um sabonete biodegradável, possui dois sacos para separação dos resíduos que produzirão ao longo da sua permanência no festival e um cinzeiro portátil que permitirá encaminhar as beatas que possuem tóxicos que demoram 10 a 12 anos a degradar para um destino adequado.

Na restauração irão ainda existir utensílios biodegradáveis em vez de plástico, de modo a que estes, juntamente com os resíduos orgânicos, possam ser encaminhados para compostagem, e o reforço da produção de energia solar. Em 2016 a organização produziu 80 toneladas de composto que pode ser utilizado para fertilizar os solos do festival e ainda terrenos onde se pretenda plantar arvores. Por outro lado, o Boom possui este ano 28 painéis solares, uma pequena central de energia renovável que poderá produzir cerca de 20kVA de energia.

Com o objetivo de reduzir a emissão de gases com efeito de estufa para a atmosfera, o Boom Festival, tal como em edições anteriores, disponibilizará autocarros desde Lisboa, Madrid, várias cidades de França e Suíça, num total de 230, contribuindo para evitar a emissão de mil toneladas de CO2.

O Boom Festival já foi distinguido em 2008, 2010, 2012, 2014 e 2016 com o “Outstanding Greener Festival Award”, o prémio mundial mais importante de eventos sustentáveis atribuído por “A Greener Festival” sendo ainda organismo pertencente à ONU, membro da iniciativa “United Nations Music & Environment Stakeholder”.

Suporta e escolhe eventos sustentáveis. Ambienta-te.

Informação e imagens via Pure, Boom Festival.

Sobre Ana Margarida Pereira 70 artigos
Mulher das Ciências de diploma e aprendiz de Comunicadora de Ciência aventuro-me pelo mundo do Jornalismo - aqui no Ardinas escrevo na secção de Ciência. Os meus traços mais peculiares, fora a personalidade, para a maioria das pessoas, é viver na Amadora, ser alérgica à canela e apesar de não ter piada nenhuma querer ser comediante.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.