Os últimos 10 finalistas da Eurovisão

A segunda semifinal do Festival Eurovisão da Canção terminou com o apuramento dos últimos 10 países finalistas. Da 18 canções que se apresentaram hoje na Altice Arena, só 10 conseguiram qualificar-se para a final.

Catarina Furtado, Daniela Ruah, Sílvia Alberto e Filomena Cautela voltaram a conduzir, de Lisboa para o mundo, mais uma gala da Eurovisão. Nesta segunda semifinal, dos 18 países participantes, apenas 10 foram selecionados pela combinação do televoto e dos júris nacionais para avançarem para a grande final, que acontece no sábado.

Os 10 países apurados foram: Noruega, Sérvia, Dinamarca, Moldávia, Holanda, Austrália, Hungria, Suécia, Eslovénia e Ucrânia.

O alinhamento para a grande final está completo. Ao todo, 26 canções vão competir pelo troféu de vencedores da Eurovisão, sucedendo a Salvador Sobral, cujo reinado como ganhador da competição termina neste sábado, pelas 20h. A derradeira emissão deste festival terá transmissão em direto na RTP 1.

Foto: Gonçalo Esteves Coelho / ARDINAS 24

Veja mais artigos do especial Festival Eurovisão da Canção 2018 – All Aboard:

Sobre Gonçalo Esteves Coelho 363 artigos
Sou um poço de contradições. Não gosto de falar mas sou jornalista. Adoro escrever mas cada vez leio menos. Sou sereno mas não consigo resistir a soltar a minha alegria quando escuto música popular. Não gosto do calor mas adoro o mar português, a sua frescura, o seu sal, as histórias que tem para nos contar. Odeio tomar decisões e, no entanto, sou o CEO deste projeto. Nasci em Lisboa, há 21 anos. O meu coração, vermelho e verde, bate por Portugal e por todos aqueles em cujas veias corre igual amor a este país, à nossa gente, à nossa cultura. Vivo perto de Sintra, esse livro de História a céu aberto, em cujos recantos gosto de me perder. Adoro museus, palácios, castelos e igrejas. Regressei ao Ensino Superior e lancei-me numa nova aventura, sem a qual não conseguiria realizar-me totalmente: o estudo da História. Em pequeno, havia quem me dissesse que iria ser jornalista. Também me diziam que deveria ser professor de História e que tinha tudo para ser um novo José Hermano Saraiva. Se calhar sou muito transparente naquilo de que gosto, ou então essas pessoas conheciam-me muito bem. Acertaram. O que virá depois eu não sei. Escolha que caminho escolher, terei de ser eu próprio. Sempre.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.