Os resultados da primeira semifinal da Eurovisão

Terminou há momentos a primeira semifinal do Festival Eurovisão da Canção. Da Altice Arena para todo o mundo, numa emissão conduzida pelo quarteto composto por Catarina Furtado, Daniela Ruah, Filomena Cautela e Sílvia Alberto. Esta noite, ouviram-se 19 canções, mas apenas 10 passaram à final.

Foi uma noite difícil para quem teve de decidir os apurados da primeira semifinal da Eurovisão. As canções, na opinião de fãs e jornalistas, eram demasiado boas para só poderem passar 10 para a grande final de sábado. A decisão foi tomada pelo televoto e por um júri de cada país, sendo que os votos foram depois somados para se determinar os 10 qualificados.

Assim, voltarão a ouvir-se na grande final os seguintes países: Albânia, República Checa, Lituânia, Israel, Estónia, Bulgária, Áustria, Finlândia, Irlanda e Chipre. Estes resultados confirmam o favoritismo que canções como as da Estónia, Israel e Chipre vêm obtendo junto dos apostadores.

Quinta-feira decorre a segunda semifinal, onde outros 10 países vão apurar-se para a final, que contará, assim, com 26 canções.

Foto: Gonçalo Esteves Coelho / ARDINAS 24

Veja mais artigos do especial Festival Eurovisão da Canção 2018 – All Aboard:

Sobre Gonçalo Esteves Coelho 358 artigos
Sou um poço de contradições. Não gosto de falar mas sou jornalista. Adoro escrever mas cada vez leio menos. Sou sereno mas não consigo resistir a soltar a minha alegria quando escuto música popular. Não gosto do calor mas adoro o mar português, a sua frescura, o seu sal, as histórias que tem para nos contar. Odeio tomar decisões e, no entanto, sou o CEO deste projeto. Nasci em Lisboa, há 21 anos. O meu coração, vermelho e verde, bate por Portugal e por todos aqueles em cujas veias corre igual amor a este país, à nossa gente, à nossa cultura. Vivo perto de Sintra, esse livro de História a céu aberto, em cujos recantos gosto de me perder. Adoro museus, palácios, castelos e igrejas. Regressei ao Ensino Superior e lancei-me numa nova aventura, sem a qual não conseguiria realizar-me totalmente: o estudo da História. Em pequeno, havia quem me dissesse que iria ser jornalista. Também me diziam que deveria ser professor de História e que tinha tudo para ser um novo José Hermano Saraiva. Se calhar sou muito transparente naquilo de que gosto, ou então essas pessoas conheciam-me muito bem. Acertaram. O que virá depois eu não sei. Escolha que caminho escolher, terei de ser eu próprio. Sempre.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.