Semana Num Minuto – 2 a 8 de abril de 2018

Andamos à pressa, trabalhamos demasiado e vivemos a mil. Entretanto, o mundo vive intensamente e a informação sucede-se, mas nós não conseguimos captá-la devidamente. Sente, com razão, que não sabe o que se passa em Portugal e no Mundo? O ARDINAS 24 resolve o problema apresentando, todos os domingos, a Semana Num Minuto.

Foto: Embaixada portuguesa na Suécia

Embaixada portuguesa na Suécia arde por fogo posto
Houve um incêndio na embaixada portuguesa em Estocolmo, que as autoridades suecas consideram ter sido provocado por mão criminosa. As grandes dimensões do fogo provocaram 14 feridos. O Presidente da República mostrou o seu repúdio por este “gesto criminoso”, que levou a polícia sueca a prender um homem suspeito de ter posto fogo ao edifício, depois de ter ficado insatisfeito com a resposta dada pela embaixada a uma questão por si colocada. O Ministro dos Negócios Estrangeiros português reconheceu a origem criminosa do incêndio, mas recusou falar de terrorismo.

 

Aumentos salariais só em 2020
Foi esta semana anunciado que apenas em 2020 haverá aumentos salariais na Função Pública, ou seja, só depois das próximas Eleições Legislativas. O governo já preparou o seu Programa de Estabilidade, onde está claro que não existirão, para já, quaisquer aumentos. Aos parceiros sociais, com quem preparou esse mesmo documento, o Ministro das Finanças declarou a intenção de reduzir a dívida pública portuguesa em 23%, até 2023.

 

Presidente e jogadores do Sporting em guerra
O ambiente em Alvalade esteve a ferro e fogo ao longo da semana. Bruno de Carvalho escreveu no seu Facebook uma série de críticas aos jogadores do Sporting CP após a derrota frente ao Atlético de Madrid, por 2-0. Rapidamente, os atletas mostraram a sua indignação pelos comentários feitos pelo Presidente. E este foi ainda mais longe, ao ameaçar fazer uma suspensão em bloco de toda a equipa principal do clube. Os ânimos exaltaram-se, e apenas uma reunião entre as partes contribuiu para evitar a aplicação de sanções aos jogadores e para colocar o foco no jogo contra o Paços de Ferreira, realizado este domingo. Contudo, nem Bruno de Carvalho nem a equipa cederam nas suas posições. A instabilidade deverá, por isso, continuar pela semana que aí vem…

 

Lula da Silva entregou-se
Chegou ao fim a novela da detenção de Lula da Silva. O ex-presidente brasileiro tinha sido condenado e deveria entregar-se às autoridades até sexta-feira, mas decidiu permanecer mais um dia em liberdade para poder assistir com tranquilidade à missa em honra da mulher, falecida há um ano. Depois da cerimónia, Lula seguiu para a prisão, escoltado por uma força de segurança que o protegia da multidão que, na rua, gritava para o apoiar ou para suportar a decisão da Justiça brasileira.

 

Carrinha atropela multidão na Alemanha
Este sábado, uma carrinha atropelou e matou quatro pessoas no centro histórico de Munster, na Alemanha, deixando outras 30 pessoas feridas. O veículo avançou sobre a multidão, deixando as autoridades do país a avaliar a hipótese de o acidente se tratar de um atentado terrorista e de haver outras pessoas envolvidas na preparação do mesmo, além do condutor da carrinha, que se suicidou.

 

Tiroteio na sede do Youtube foi vingança

Sede do Youtube na Califórnia (Foto: Wikimedia)

Um mulher de 39 anos, natural do Irão, realizou um tiroteio na sede do Youtube, na Califórnia. Três pessoas ficaram feridas neste ataque, uma com gravidade, e a autora do crime, Nasim Najafi Aghdam, acabou por cometer suicídio. A polícia norte-americana ainda investiga o ataque, mas presume que a iraniana tenha agido por vingança e por estar “enervada com as políticas e práticas” da plataforma.

 

Chamas na Trump Tower
Um incêndio que deflagrou no 50.º andar da Trump Tower, em Nova Iorque, provocou um morto e deixou quatro bombeiros feridos. O incidente aconteceu este sábado, no edifício onde fica a residência privada da família Trump, e onde o próprio Presidente dos Estados Unidos gere as suas empresas e os seus negócios particulares. O incêndio foi apagado rapidamente, e Donald Trump agradeceu no Twitter o trabalho dos bombeiros.

 

Trump quer exército a controlar a fronteira mexicana

A fronteira entre EUA e México (Foto: Wikimedia)

Entretanto, mais para o início da semana, Donald Trump declarou que quer colocar o exército a vigiar a fronteira com o México, para reforçar a segurança dos Estados Unidos. A medida, segundo o Presidente explicou, só vigorará até o prometido muro estar concluído. Trump afirmou ainda que, nos últimos dias, cerca de mil mexicanos atravessaram a fronteira para solo norte-americano, e que as leis nacionais são tão fracas que não bastam para estancar este movimento migratório.

 

Bolsa de Nova Iorque em queda
A semana terminou com más notícias vindas de Wall Street. A bolsa de Nova Iorque tinha caído mais de 2%, algo que os economistas explicam como estando realizado com os dados de emprego norte-americano do mês de março, onde se viu que a taxa de desemprego está pelos 4,1%, não constituindo um resultado positivo. Além disso, a relação comercial entre os Estados Unidos e a China não tem estado fácil, como já vimos na semana passada.

Foto de capa: Sporting CP

Sobre Gonçalo Esteves Coelho 363 artigos
Sou um poço de contradições. Não gosto de falar mas sou jornalista. Adoro escrever mas cada vez leio menos. Sou sereno mas não consigo resistir a soltar a minha alegria quando escuto música popular. Não gosto do calor mas adoro o mar português, a sua frescura, o seu sal, as histórias que tem para nos contar. Odeio tomar decisões e, no entanto, sou o CEO deste projeto. Nasci em Lisboa, há 21 anos. O meu coração, vermelho e verde, bate por Portugal e por todos aqueles em cujas veias corre igual amor a este país, à nossa gente, à nossa cultura. Vivo perto de Sintra, esse livro de História a céu aberto, em cujos recantos gosto de me perder. Adoro museus, palácios, castelos e igrejas. Regressei ao Ensino Superior e lancei-me numa nova aventura, sem a qual não conseguiria realizar-me totalmente: o estudo da História. Em pequeno, havia quem me dissesse que iria ser jornalista. Também me diziam que deveria ser professor de História e que tinha tudo para ser um novo José Hermano Saraiva. Se calhar sou muito transparente naquilo de que gosto, ou então essas pessoas conheciam-me muito bem. Acertaram. O que virá depois eu não sei. Escolha que caminho escolher, terei de ser eu próprio. Sempre.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.