“Get Out” – uma sátira mascarada de thriller

Foi um dos filmes mais vistos nos EUA no ano passado, alcançou o topo das pontuações em sites como o Rotten Tomatoes e já tem uma vasta coleção de prémios e nomeações. Esta segunda-feira, conquistou o prémio de Melhor Argumento Original na Guilda dos argumentistas norte-americanos (Writers Guild of America).

O filme, realizado por Jordan Peele, um ator norte-americano conhecido pelas suas representações caricaturais de figuras como Barack Obama, conjuga uma estranha mistura de suspense e comédia.

Em “Get Out”, Chris Washington (Daniel Kaluuya) é um jovem fotógrafo afro-americano que mantém uma relação com Rose Armitage (Allison Williams), uma jovem caucasiana. O casal decide passar um fim-de-semana em casa dos pais de Rose, e é em torno da sua estadia na mansão Armitage que gira todo o enredo do filme.

Quem decidir ver “Get Out” pode convencer-se de que não vai ver um filme sobre racismo, mas rapidamente verá as suas convicções deitadas por terra. O filme já foi considerado uma sátira pela forma como aborda as atitudes de quem se diz “aliado” na luta contra o racismo. Algures nos primeiros trinta minutos, somos brindados com uma cena entre Chris e um agente da autoridade que, apesar de perceber que é Rose quem está a conduzir, decide perguntar ao jovem pela sua identificação, num tom bastante hostil e com alguma agressividade.

Em diversas cenas ao longo do filme percebemos por entre personagens principais e secundárias que existe uma atitude de racismo um tanto ao quanto subtil – quase não se dá por ela, mas ela existe. Essas atitudes geram desconforto em Chris, a personagem principal, desconforto esse que passa rapidamente para o próprio espectador.

A história de “Get Out” esconde-se por detrás de pequenos twists no enredo que, não sendo dotados de especial brilhantismo, são suficientemente surpreendentes. A narrativa é construída de forma a que se sinta necessidade de saber o que vai acontecer no momento exatamente a seguir – característica indispensável a um bom thriller. Aliados ao suspense estão alguns momentos de pura comédia, que podem mesmo fazer soltar gargalhadas.

O filme teve sucesso pela sua originalidade e pela forma como a história é conduzida até ao seu final, que nos apanha de surpresa.

Se vais ver “Get Out” para te assustar, talvez fiques desiludido, já que os pequenos momentos de terror presentes no filme só incomodam mesmo os mais sensíveis.

Jordan Peele já manifestou a sua intenção de criar uma sequela – algo que pode ficar melhor definido se o filme tiver sucesso nos Óscares.

“Get Out” está nomeado para quatro Óscares – Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Realizador e Melhor Argumento Original – sendo considerado por muitos um dos favoritos a arrecadar o maior número de estatuetas.

 

Veja mais artigos do especial Óscares 2018:

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.