Os 8 melhores de 2017 (para continuar a jogar em 2018)

Entramos em 2018 há pouco mais de um mês, e por isso torna-se interessante e pertinente olhar para o ano que passou e reunir alguns dos melhores jogos que foram lançados, para continuar, começar ou recomeçar a jogar em 2018.

Sem mais demoras, deixo-vos aqui os oito títulos lançados em 2017 que, na minha opinião e de entre os géneros disponíveis, foram os mais bem conseguidos em termos visuais e sonoros, de jogabilidade, história e envolvimento do jogador no mundo criado.

 

#8: WipEout Omega Collection

Nada melhor do que começar este pequeno Top com alguma adrenalina. No oitavo lugar desta longa e disputada corrida ficou a coleção remasterizada do clássico WipEout, a WipEout Omega Collection. Sendo que se trata de um título de Racing, não oferece um grande conteúdo ao nível de envolvimento do jogador num mundo ou numa história, mas esta WipEout Omega Collection consegue compensar a experiência com bastante adrenalina, gráficos soberbos criados ao detalhe, uma arte irrepreensível e uma banda sonora perfeita para o estilo de jogo.

WipEout Omega Collection é na minha opinião o jogo de Racing do ano e um dos melhores dentro do género. Prontos para uma corrida?

 

#7: Resident Evil 7: Biohazard

Fãs de videojogos de terror, se estiverem por aí, fica a dica: não deixem de experimentar o novo Resident Evil, porque não se vão arrepender. Ou talvez se arrependam, mas sempre é por bons motivos. Os gráficos exímios e a experiência de jogo aterradora de Resident Evil 7: Biohazard tornam o que seria um pesadelo num verdadeiro sonho para os fãs do género, colocando este jogo entre os melhores de 2017, e sem dúvida de toda a série Resident Evil.

Desta vez na primeira pessoa e com muito mais ação e suspense, o recente Resident Evil 7: Biohazard explora de forma assustadoramente perfeita alguns dos nossos maiores medos e é, no fundo, um pequeno e acolhedor espaço por onde todos – ou quase todos – os gamers vão querer passar. É… isto, não é?

 

#6: Assassin’s Creed Origins

Se há série que não para, é esta. Depois de mil e um Assassin’s Creed, chegou o dia em que a saga alcançou os mil e dois títulos, embora desta vez numa experiência diferente da habitual. Ao longo dos últimos 10 anos, tivemos oportunidade de viajar por cenários e momentos históricos e de viver aventuras épicas pela mão de Assassin’s Creed, uma série que dispensa apresentações e que, na minha opinião, conquistou um lugar entre as melhores de sempre, com a vantagem de ter ainda bastante espaço criativo para continuar a crescer.

Em 2017, o destino foi o Antigo Egipto, numa caminhada que permitiu acrescentar um grande valor aos títulos já lançados, reforçando o legado conquistado e colocando Assassin’s Creed Origins no topo dos jogos da série, do género e do ano.

 

#5: Injustice 2 

Injustice 2 foi à luta e arrumou o rival Tekken 7 a um canto, sem pedido de desforra.

Quer pela cinematografia arrebatadora e pela animação recheada de detalhe e ação, ou quer pelos infindáveis desafios, combates e missões, Injustice 2 superou e bateu a sétima edição clássica de TekkenTekken 7. Épico e desafiante, Injustice 2 transporta-nos para o mundo da DC Comics com personagens e personalizações que vão ao encontro de cada jogador e de cada estilo de jogo. Para além da estratégia de luta, existe uma preparação pré-combate, que torna o jogo ainda mais apelativo.

A meu ver, Injustice 2 é um jogo de Fighting completo: com história e emoção, desafiante (quanto baste e dentro do que é aceitável) e, talvez o mais importante, com inúmeras possibilidades de definir personagens, estilos de combate e estratégias alternativas.

 

#4: Life is Strange: Before the Storm

Podia ser o meu nº1 de 2017, se tivesse mantido o suspense e o envolvimento que asseguraram o enredo do original Life is Strange, em 2015. Para os que experimentaram o primeiro título da série, este Life is Strange: Before the Storm pode ter parecido um breve minijogo em modo Very Easy. Confesso que, apesar de ter gostado, esperava uma história mais forte, mais elaborada e com um final mais impactante. Marcado por breves momentos que conseguiram salvar episódios inteiros, Life is Strange: Before the Storm pode ter desiludido na história – quando comparado com o título anterior – mas manteve a qualidade sonora e visual, que aperfeiçoou desde 2015.

Também a excelência da BSO, que destacou e sustentou o sucesso do original Life is Strange, foi aqui mantida e permitiu desta vez atenuar alguns pormenores que podem ter ficado aquém. Ainda assim, pela irreverência e originalidade, continua a ser um dos melhores do ano. Esperemos pelo próximo.

 

#3: Super Mario Odyssey

Há jogos que se passam, há jogos que passam e há jogos que ficam. O mesmo acontece com personagens e ícones. Super Mario é um clássico, mas é também um clássico que não deixa de se reinventar, e a prova disso é este Super Mario Odyssey, uma das grandes apostas da Nintedo Switch. Tal como o nome indica, trata-se de uma Odisseia pelo mundo de Mario, assinalando pontos daquilo que foi até ao que pode vir a ser, com referências que muitos dos jogadores certamente reconhecerão.

Super Mario Odyssey surpreende visualmente pela positiva, assim como em termos de jogabilidade, assegurando-se como um jogo que novos e antigos fãs não podem nem vão querer perder. Uma aventura que, dado o sucesso alcançado, indicia e traça um caminho interessante a seguir.

 

#2: Horizon Zero Dawn

Horizon Zero Dawn é um dos poucos que, depois de despertarem tanto a atenção de jogadores, críticos e criadores, conseguem manter a elevada fasquia criada pelas expectativas, não desiludindo ao nível da história e em termos gráficos e sonoros. Com uma grande liberdade de jogo, Horizon Zero Dawn transporta-nos para um mundo pós-apocalíptico que combina na perfeição o passado e o futuro, envolvendo o jogador numa aventura épica e inesquecível em busca da verdade e de respostas que parecem cada vez mais reveladoras e envoltas em mais mistério.

Ideal para os fãs de RPG de acção, Horizon Zero Dawn é, sem dúvida, um dos jogos que marcaram o último ano (e quem sabe talvez os próximos).

 

#1: The Legend of Zelda: Breathe of the Wild

Não foi fácil para mim escolher o melhor videojogo de 2017, até porque alguns dos títulos que inclui neste Top não estão entre os melhores nos ratings ou nas vendas, mas penso (tal como muitos) que este The Legend of Zelda: Breathe of the Wild é merecedor do primeiro lugar. Juntamente com Super Mario Odyssey, esta foi uma das grandes apostas para Nintendo Switch e, sem dúvida, uma aposta ganha. Visualmente encantador e irresistível, The Legend of Zelda: Breathe of the Wild conquistou jogadores e fãs por tudo aquilo que oferece de espantoso, mágico e original, numa liberdade criativa que deu asas a uma grande liberdade de jogo.

Outro pormenor a reter é que, tendo sido o primeiro Legend of Zelda lançado há mais de 30 anos, este recente sucesso reforça a elasticidade e a capacidade de adaptação da série, sendo ainda um sinal de que a Nintendo Switch não é “apenas mais uma Nintendo” e de que pode – e certamente vai – oferecer-nos muito mais nos próximos tempos.

 

Tal como referi anteriormente, escolher os melhores de 2017 não foi uma tarefa fácil, quer pela diversidade de géneros que existe, quer pela cada vez melhor qualidade e variedade de criações. Sei que de fora ficaram alguns jogos meritórios, entre eles Destiny 2, Little Nightmares e Cuphead, que merecem também destaque pela originalidade e capacidade de cativar jogadores desde o primeiro minuto.

Sobre Diogo Ventura 96 artigos
Cedo percebi que o meu caminho passaria pela criatividade e pela imaginação. Comecei com desenhos e rabiscos, passei a pequenas histórias e mais tarde cheguei à publicidade e às peças de humor. Foi também desde cedo que dei por mim a mergulhar no mundo dos videojogos, quase antes de começar a andar - até porque, quando jogava, jogava sentado. Anos mais tarde, licenciei-me em Publicidade e Marketing e trabalho há algum tempo na área do Marketing e da Criatividade Digital. No Ardinas 24, já escrevi e opinei, e sou agora autor da rubrica semanal Bonus Stage, um pequeno espaço sobre videojogos e o mundo do Gaming.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.