Vêm aí os Queen

A crítica diz que são a melhor banda de tributo aos Queen, e estão de regresso a Portugal para dois concertos que vão acontecer ainda este mês. Os God Save the Queen preparam-se para fazer explodir os coliseus de Lisboa e do Porto com dois espetáculos únicos e que servirão para homenagear uma das maiores bandas da história da Música.

Os God Save The Queen atuam, primeiro, em Lisboa, no Coliseu dos Recreios. O espetáculo, que marca o regresso do grupo a Portugal, acontece a 27 de outubro, antes de a banda subir para o Porto, para atuar no dia 31. Como habitualmente acontece, será muito mais do que a música de Freddie Mercury que vai estar a ser lembrada: em palco não faltará a energia, a criatividade, a luxúria e a irreverência que sempre caracterizaram este grupo.

Nas suas atuações à volta do mundo, a banda, natural da Argentina, já somou mais de quatro milhões de espetadores, um número que prova a qualidade do espetáculo e a forma fiel como representam a mítica banda inglesa e o seu carismático intérprete, prematuramente falecido em 1991, em resultado de vários problemas de saúde provocados pela Sida.

Os bilhetes ainda estão à venda e custam entre 22 e 40 euros.

Sobre Gonçalo Esteves Coelho 312 artigos
Sou um poço de contradições. Não gosto de falar mas sou jornalista. Adoro escrever mas cada vez leio menos. Sou sereno mas não consigo resistir a soltar a minha alegria quando escuto música popular. Não gosto do calor mas adoro o mar português, a sua frescura, o seu sal, as histórias que tem para nos contar. Odeio tomar decisões e, no entanto, sou o CEO deste projeto. Nasci em Lisboa, há 21 anos. O meu coração, vermelho e verde, bate por Portugal e por todos aqueles em cujas veias corre igual amor a este país, à nossa gente, à nossa cultura. Vivo perto de Sintra, esse livro de História a céu aberto, em cujos recantos gosto de me perder. Adoro museus, palácios, castelos e igrejas. Regressei ao Ensino Superior e lancei-me numa nova aventura, sem a qual não conseguiria realizar-me totalmente: o estudo da História. Em pequeno, havia quem me dissesse que iria ser jornalista. Também me diziam que deveria ser professor de História e que tinha tudo para ser um novo José Hermano Saraiva. Se calhar sou muito transparente naquilo de que gosto, ou então essas pessoas conheciam-me muito bem. Acertaram. O que virá depois eu não sei. Escolha que caminho escolher, terei de ser eu próprio. Sempre.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.