Gabriela

Nesta minha rubrica teria sempre de falar da primeira novela de sempre que os portugueses viram. Falo-vos de Gabriela. Esta telenovela foi exibida originalmente no Brasil em 1975, com direção de Walter Avancini e inspirada no romance Gabriela, Cravo e Canela, de Jorge Amado.

Em Portugal estreou no dia 16 de maio de 1977, tendo terminado a 16 de novembro do mesmo ano, após 132 episódios. A ação desta história passa-se na vila de São Jorge de Ilhéus, na década de 20, onde a política é comandada pelos coronéis, com destaque para o Coronel Ramiro Bastos (Paulo Gracindo). Com a chegada de Mundinho Falcão (José Wilker), um médico, dá-se início a lutas pela chefia política contra os coronéis. No entanto, estas lutas são influenciadas por um acontecimento trágico: o Coronel Jesuíno Mendonça (Francisco Dantas) assassina a sua mulher, Dona Sinhazinha (Maria Fernanda), e Osmundo Pimentel (João Paulo Adour) depois de os encontrar a cometer adultério.

https://www.youtube.com/watch?v=3I2nxHDD15Y

Paralelamente a este quadro, muitos retirantes instalaram-se em São Jorge de Ilhéus, devido a uma grande seca. Entre eles encontra-se Gabriela (Sónia Braga), que irá trabalhar no Bar Vesúvio, cujo proprietário é Nacib (Armando Bógus). O romance entre eles começa e será um dos enredos principais desta história, a par com a decadência dos coronéis e a emancipação de Malvina (Elizabeth Savalla).

No final da história, Jesuíno é condenado à prisão, e, depois da morte do Coronel Ramiro Bastos, Mundinho Falcão recebe permissão para namorar a sua neta Jerusa (Nívea Maria).

https://www.youtube.com/watch?v=gvuZHpOmrHU

Gabriela foi um enorme sucesso em Portugal, tendo sido comprada por Carlos Cruz, na altura diretor de programas da RTP. Estreou numa noite dedicada à cultura brasileira. A novela fez parar o nosso país, com pessoas de todas as idades e estratos sociais a sentarem-se em frente ao televisor para assistir à trama protagonizada por Sónia Braga. O êxito foi tal que as reuniões na Assembleia da República eram adiadas para uma hora posterior à exibição da novela.

Com este grande fenómeno de popularidade, as vendas do livro de Jorge Amado, Gabriela, Cravo e Canela, dispararam, para além de outras obras deste autor baiano que também obtiveram grande sucesso. Durante o período de exibição da novela foi também lançada uma coleção de revistas que trazia a história de Gabriela, para além de uma outra lançada também em banda desenhada.

Em Portugal foi lançado um LP com muitos dos temas da novela, alguns deles interpretados por cantores diferentes. Esse disco tinha uma capa completamente diferente do original editado no Brasil. Vários temas tiveram um grande destaque nesta novela, entre eles: Modinha para Gabriela, de Gal Costa; Coração Ateu, por Maria Bethânia; Alegre Menina, interpretado por Djavan, e Filho da Bahia, uma das primeiras canções de Fafá de Belém. Com o enorme sucesso do tema de abertura da novela, Mara Abrantes, brasileira radicada em Portugal, gravou também o tema Modinha para Gabriela, cujo disco teve uma capa em todo semelhante à editada no Brasil para o LP da novela.

LP gabirela
O LP da novela.

Foram vários os atores que se deslocaram a Portugal para promoção desta primeira novela exibida pela RTP, tal como Sónia Braga, Elizabeth Savalla, Fúlvio Stefanini ou Nívea Maria. Paulo Gracindo, o Coronel Ramiro Bastos, foi um dos convidados do programa A Visita da Cornélia, apresentado por Raúl Solnado.

Gabriela já foi repetida várias vezes ao longo do tempo. A primeira delas foi ainda durante a sua exibição, tendo a RTP2 criado um horário alternativo para a novela a partir de 17 de agosto de 1977 até 9 de fevereiro de 1978. Em 1983 a novela foi novamente repetida na RTP2, desta vez a cores, o que até então não tinha acontecido, tendo como slogan Gabriela, Cravo e com a Cor da Canela. No Festival RTP da Canção 1984, o tema interpretado por Paco Bandeira faz jus a isso mesmo, referindo na letra a exibição deste tema (ver aqui).

A última reposição seria já na SIC, entre 2004 e 2005, no horário da tarde, tendo sido criada uma nova abertura. A novela foi também compactada em 79 episódios, que podem ser vistos na íntegra neste canal do YouTube.

Gabriela foi um sucesso estrondoso na televisão portuguesa, abrindo horizontes para uma série de novelas portuguesas que depois chegariam até nós. Para além de ser um marco na RTP é também um marco na vida de muitas pessoas, que, quando inquiridas sobre a sua novela de eleição, apontam Gabriela como uma das preferidas.

O último episódio da novela pode ser visto abaixo.

https://www.youtube.com/watch?v=MRCIYlODFQM

Sobre Miguel Meira 103 artigos
Quando era pequeno, entre histórias da “Cinderela” e cantigas em “Playback”, quis ser como o Carlos Paião – médico e cantor. As doenças e os órgãos acabaram por sair da minha mente, mas a música de alguma forma ficou. Sou um apaixonado incondicional por música portuguesa, como também sou por tudo o que envolva espectáculo, teatro, cinema e televisão (tendo como maior interesse o Festival da Canção e da Eurovisão e os já extintos Jogos Sem Fronteiras). Contudo, profissionalmente, os meus palcos foram outros. Licenciei-me em Ensino de História, dou aulas desta disciplina desde 2008, já trabalhei numa biblioteca e já transcrevi até um livro de posturas do século XIV. Faço parte da equipa do site “Festivais da Canção” desde 2008, e também colaboro no site “Brinca, Brincando”, sobre a temática televisiva. Porque o passado também fala, aceitei o desafio de viajar no tempo no ARDINAS.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.